NA DEFESA DA IGREJA CATOLICA

pedro

A Igreja Católica é uma criação direta de Jesus: VOCÊ É PEDRO (KEFAS) E SOBRE ESTA PEDRA (KEFAS) EDIFICAREI MINHA IGREJA. PASTOREIA O MEU REBANHO… Desta forma tanto explícita e nada ambígua, Simão apodado Pedro (latim: Petrus (Pedra) por Jesus, foi nomeado primeiro Papa pelo Messias. A Igreja católica é, conseqüentemente, a única legítima. Por que então esta proliferação ridícula de seitas?

Nos EUA. existem 27.000 seitas protestantes neste momento, e no resto do mundo chegam às 100.000, a maioria fundada pelo típico pregador com mais desejo de encher seus bolsos com o dizimo de seus ingênuos seguidores, do que em espalhar a fé de Jesus.

Nestes tempos de hoje é comum ouvir ataques à Igreja baseados em seu passado e de alguns fatos do presente. Entre os mais utilizados estão as cruzadas, a Inquisição e uma suposta discriminação contra as mulheres. Também existem outras causas pelas quais se recrimina à Igreja, embora sejam causadas geralmente mais por pessoas concretas do que pela Instituição religiosa.

Analisemos algumas destas questões. Quanto às cruzadas, é necessário inseri-las em seu contexto histórico. Começaram em torno do ano 1000, no calor da crise da histeria coletiva pela suposta proximidade do fim do mundo. Muitas pessoas preparavam-se para uma morte que consideravam já muito próxima. Uma das formas de expiação era ingressar nos exércitos cruzados. Estas pessoas não viam contradição entre a sua fé e a reconquista pelas armas dos Santos Lugares como maneira de limpar sua alma do mal. Neste tempo o ofício das armas era considerado um trabalho digno e decente, e animava-se as pessoas a demonstrar sua fé por meio da guerra santa.

E isto é o que interessa realmente saber destes eventos. A FÉ. Se nós analisássemos os fatos, devíamos considerar que era preciso muita fé para cruzar vários milhares de quilômetros através da Europa, geralmente a pé, por caminhos infestados de bandidos, e arriscar finalmente a vida na conquista dos Santos Lugares. Uma vez que este objetivo foi obtido e restaurado o reino de Jerusalém, a peregrinação constante dos peregrinos à Palestina durante os duzentos anos seguintes foi uma nova prova da fé imensa das pessoas nesta época.

A Inquisição foi criada há cinco séculos com a finalidade de preservar a ortodoxia religiosa. Quando a reforma protestante chegou, na Alemanha e no norte de Europa, ela continuou a existir, mas com a finalidade de perseguir aos católicos. As causas da existência da Inquisição seguem existindo em nosso tempo. Não é raro, quando abrimos um jornal, ler casos de seqüestros de crianças e adolescentes que aparecem depois de alguns dias, assassinados e mutilados horrivelmente, com evidentes sinais de terem sido torturados e mortos em algum ritual satânico. E isto acontece hoje, no século XXI, o século da ciência, da racionalidade e das comunicações instantâneas.

Imaginemos o que poderia ser no século XV, um século de obscurantismo, ignorância e fanatismo. Os ritos satânicos eram muito mais praticados que agora e não era estranho que as pessoas reagissem com violência excessiva contra os que consideravam agentes do maligno. Em verdade, se a Igreja Católica não tivesse reagido com firmeza naquela época, hoje os que a atacam mentirosamente usando a Inquisição como arma, nem estariam vivos, pois o mundo teria sido sepultado pelo satanismo.

A Inquisição foi criada em princípio com a finalidade de perseguir este tipo de práticas. Os sistemas de tortura que usou não se diferenciavam em nada dos empregados pelas forças das polícias da época, mesmo eram mais ajustadas pelo matiz religioso da instituição. Os números das vítimas foram também muito amplificados pela propaganda antirreligiosa; mas os dados são eloqüentes: nos quatro séculos da existência do Santo Oficio na Espanha e em seu império latino-americano morreram entre 1400 e 4000 pessoas nas mãos desta instituição. E como sabemos, os excessos cometidos por padres e bispos foram todos punidos rigorosamente pela Igreja, além do que grande parte deste número de mortos, foi responsabilidade protestante e não católica.

Em comparação, na década selvagem da guilhotina, durante o ateu regime revolucionário pre-napoleônico, foram decapitadas 14.000 pessoas. Em dez anos, a revolução francesa assassinou quatro vezes mais pessoas na guilhotina que nos cinco séculos que a Inquisição trabalhou na Espanha e na América Latina. Interessante que se louva aos quatro ventos a nobre Revolução Francesa, enquanto se cospe na Igreja como criminosa, quando mais terrível para o mundo foram a guilhotina e a Bastilha.

Comparemos tudo isto com o genocídio massivo dos regimes ateus do século XX: a pagã Alemanha nazista, 30 milhões; regime soviético de comunistas ateus: uns 20 milhões de mortos e sessenta milhões de presos; regime comunista ateu da China: 50 milhões; regime ateu e comunista do Khmer Vermelho: um terço da população inteira do Camboja. E há muitos mais exemplos no Viet-nam, Birmânia, Coréia do Norte, África, com seus milhões de assassinados, também Cuba, etc. Sim, são dados objetivos. Mas estes dados ninguém os recorda, o importante é que devem destruir a imagem da Igreja, para maior glória dos satanistas.

Finalmente, mencionaremos o exemplo da suposta discriminação feminina. É absolutamente certo que o sacerdócio feminino na Igreja não está admitido. A razão é de tipo dogmático e, conseqüentemente, é inamovível: Jesus escolheu somente homens como apóstolos entre seus discípulos, e nenhuma mulher foi chamada a este serviço. E é evidente que se Jesus – Deus feito homem – fez esta determinação, é porque alguma razão objetivamente justa teve.

Em minha opinião, é necessário procurar a razão na diferença principal que existe entre o homem e a mulher: a capacidade reprodutiva. As mulheres são aquelas que têm as crianças, as nutrem durante longos meses e vivem com elas os primeiros anos da vida de forma quase contínua. Isto, sem dúvida alguma, produz uma relação especialmente estreita entre a mãe e seu filho. Uma relação muito maior da que pode existir entre um pai e aquele mesmo filho.

E é neste ponto onde devemos recordar as palavras do Messias: Todos os que não deixam seu pai, sua mãe, seu irmão, sua mulher e suas crianças não são dignos de mim. Esta é possivelmente, a razão. Deus não pediria a uma mãe que deixasse seu filho. Conseqüentemente, a negação do sacerdócio feminino não é uma discriminação da mulher, mas a conseqüência lógica de uma diferencia biológica entre esta e o homem.
A fim de concluir, quero falar de todo o trabalho positivo feito pela Igreja. O fato de que Jesus fundou a Igreja deve ter sem dúvida alguma uma finalidade muito importante. Verifiquemos qual é o resultado dois mil anos após. Atualmente a Igreja católica é a mais numerosa em número de fiéis. Mais de um bilhão de católicos povoam o mundo. É também a maior religião do planeta. Tem a maioria absoluta na Europa ocidental e o continente americano. Mais algumas centenas de milhões estão dispersados pelo resto do mundo. Nestes dois mil anos as almas salvas pelo trabalho dos seguidores dos Apóstolos são incontáveis.

A Igreja foi um fator essencial na história do mundo. É suficiente ler os livros de história, para comprovar como a cristianização do mundo produziu resultados apreciáveis na coexistência humana: moderou os instintos mais selvagens que governavam aos homens do mundo clássico, moderou a dureza das leis, expandiu o conceito do respeito pelo outro e contribuiu com o progresso do conhecimento durante os tempos de ignorância generalizada das invasões pré-medievais.

Seu trabalho no campo social é extremamente notável. Até a aparição do estado do bem-estar, as pessoas pobres somente podiam contar com a caridade eclesiástica para seu sustento, ou na boa vontade de terceiras pessoas, uma grande parte delas induzidas à caridade também pela Igreja.

Apesar de todos estes enormes benefícios, esta Instituição Sagrada tem muitos inimigos entre as pessoas que seguem aos ídolos de nosso tempo – prazer, dinheiro, egoismo extremo – ; e aqueles que seguem explicitamente ao diabo, que tentam minar os fundamentos desta Instituição com toda classe de calúnias e falsidades, com a finalidade de encher ainda mais os poços do abismo.

A fim de terminar, só resta concluir: a Igreja Católica, Apostólica e Romana é a única e Igreja verdadeira e legítima; a única fundada por Jesus sobre os ombros de Pedro, o primeiro Papa. É uma Igreja destinada a existir até a fim dos tempos, como predisse o Messias… E AS FORÇAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA… É uma Igreja Santa desde sua fundação; uma Igreja com seus erros, porque é dirigida por pessoas humanas, e conseqüentemente, imperfeitas; mas foi, é e será o caminho mais seguro para os homens que desejam alcançar o prometido reino de Deus.

 Fonte: Recados do Aarão

postado por Elke Lichtnow

Deixe um comentário

Arquivado em 1

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s